As chuvas contínuas na província de Shanxi, no centro da China, levaram à retirada de 120.000 pessoas, noticiou hoje a agência oficial Xinhua.

O Departamento de Emergências da província também relatou a destruição de 190.000 hectares de terras agrícolas e o desabamento de mais de 17.000 casas.

Os serviços meteorológicos de Shanxi avisaram que haverá mais chuva, no sul da província, que tem uma população de cerca de 35 milhões de habitantes.

 

Entre os dias 2 e 7 de outubro, as precipitações atingiram 119 litros por metro quadrado, um número três vezes superior à média registada em outubro naquela província, segundo o Instituto.

A Xinhua também informou no sábado que uma barragem rompeu em Fenhe, um afluente do Rio Amarelo, que registou a sua segunda maior enchente em quase 40 anos.

As chuvas também danificaram parte da Antiga Muralha da Cidade de Pingyao, que é Património Mundial da UNESCO e um destino turístico popular.

Na semana passada, as autoridades da província relataram a morte de pelo menos cinco pessoas devido às chuvas.

A província vizinha de Shaanxi também sofreu o efeito das chuvas persistentes, na semana passada, que levaram à retirada de mais de 50.000 cidadãos da província, de acordo com a Xinhua.

O Centro Meteorológico Nacional da China informou que as chuvas, no norte do país estabeleceram um “recorde histórico”, em setembro passado.

Em julho passado, o centro da China sofreu fortes chuvas que deixaram mais de 300 mortos na província de Henan, segundo o balanço das autoridades locais.

Agência Lusa / BC