A cabeça de um lobo gigante com mais de 30 mil anos foi encontrada no rio Tirekhtyakh, na Sibéria, por caçadores locais.

A descoberta está a surpreender os cientistas pelo tamanho - tem 40 centímetros, quando a cabeça de um lobo atual mede entre 23 e 28 centrímetros -, mas também pelo estado de conservação. A cabeça encontrada tem os pêlos, dentes, pele e tecido cerebral praticamente intactos, descreve a BBC.

Os cientistas esperam que a descoberta, que foi agora apresentada ao público numa exposição no Museu Nacional de Ciência e Inovação, em Tóquio, ajude a perceber o que aconteceu com os lobos gigantes que viviam na Europa e na Ásia, há mais de 30 mil anos.

Da Sibéria a cabeça de lobo gigante foi enviada para o Museu de História Natural da Ciência na Suécia para que fosse determinada a idade do animal.

A idade que determinamos foi entre 32.560 anos e 31.480 anos (com precisão de 95%). Outra equipa independente chegou ao valor de 32.705 a 31.690 anos. Assim, podemos dizer com confiança que o animal tem 32.000 anos, com uma margem de erro não superior a 500 anos", explicou um dos cientistas responsáveis, David Stanton, em declarações à BBC.

Agora, os cientistas vão analisar o DNA do animal e compará-lo com o dos lobos atuais.

Por exemplo, qual é a relação entre esses lobos extintos e os atuais? Eles têm genes em comum? Podemos encontrar no genoma as razões por que foram extintos?", refere David Stanton, enumerando as questões a que os cientistas esperam conseguir obter uma resposta.

O lobo gigante cuja cabeça foi encontrada na Sibéria tinha dentes mais fortes do que as espécies atuais e, por isso, os investigadores acreditam que o lobo gigante caçava animais grandes, como búfalos e cavalos.

Para David Stanton, há uma forte possibilidade de os lobos gigantes se terem extinguido devido a questões meteorológicas.

Se for este o caso, uma melhor compreensão dessas extinções pode ajudar-nos a prever e prevenir futuras extinções devido às mudanças climáticas", salienta o investigador.