A direita italiana dirigida por Silvio Berlusconi obteve a maioria absoluta no Senado, 164 dos 314 lugares, segundo uma projecção avançada esta segunda-feira pelo Instituto Piepoli para a cadeia de televisão RAI, noticia a agência Lusa.

Em relação à Câmara de Deputados, uma primeira projecção do Instituto Ipsos dá ao partido da Liberdade de Berlusconi uma avanço de 8,8 pontos, com 46,5 por cento dos votos contra 37,7 por cento para o Partido Democrata do seu adversário Walter Veltroni.

Se estes números se confirmarem, Silvio Berlusconi disporá assim de uma larga maioria no Parlamento, o que lhe permite esquecer a amarga recordação das legislativas de 2006 quando perdeu por meia dúzia de votos.

Participação de 80 por cento

A taxa de participação nas legislativas italianas de domingo e segunda-feira ultrapassou os 80 por cento mas está 3,5 pontos abaixo quando comparada com o escrutínio de 2006, declarou o ministro do Interior, Giuliano Amato.

«Podemos concluir que a taxa de participação é superior a 80 por cento mas de qualquer forma inferior em cerca de 3,5 por cento às anteriores eleições», declarou Amato à imprensa.

Segundo o sítio do Ministério do Interior, que referia 8.099 das 8.101 comunas, a taxa de participação era 80,4 por cento.

A taxa de participação nas eleições de 2006 foi de 83,62 por cento e em 2001 de 81,38.

«Desejo bom trabalho»

Ao final da noite, o líder da esquerda italiana, Walter Veltroni, reconheceu a derrota nas legislativas, considerando «claro» o resultado que dá uma nítida vitória ao seu adversário de direita Silvio Berlusconi, durante uma conferência de imprensa em Roma.

«O resultado é claro: a direita governará este país», declarou Veltroni, que anunciou ter telefonado a Silvio Berlusconi para lhe dizer que «reconhece a sua vitória» e «desejar-lhe um bom trabalho».
Redação / JCS