O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Marc Ayrault, pediu esta terça-feira uma "reunião urgente" do Conselho de Segurança das Nações Unidas para debater a "catástrofe humanitária" na cidade síria de Alepo.

A França quer que o Conselho de Segurança se reúna imediatamente para “examinar a situação naquela vila martirizada e os meios a empenhar para socorrer a população”.

“Mais do que nunca, há urgência em pôr termo às hostilidades e permitir um acesso sem limitações à ajuda humanitária”, defendeu Jean-Marc Ayrault em comunicado.

ONU alerta que 16 mil civis de Alepo procuram "desesperadamente" refúgio

Cerca de 16 mil civis que viviam na zona oriental de Alepo, reconquistada pelas forças governamentais, procuram “desesperadamente” refúgio em áreas mais seguras, disse esta terça-feira o responsável da ONU para Assuntos Humanitários.

Relatórios preliminares indicam que 16 mil pessoas encontram-se neste momento deslocadas e muitas delas em situação precária. O número vai aumentar se os combates continuarem nos próximos dias”, alertou Stephan O’Brien através de um comunicado.

As forças de Damasco recuperaram trinta por cento do território de Alepo oriental controlado por forças rebeldes há quase quatro anos.

Redação / STS