Pelo menos 132 civis morreram e 91 ficaram feridos na sequência de operações militares norte-americanas no Iraque, Síria, Afeganistão e Somália, em 2019, indicou esta quinta-feira um relatório do Departamento da Defesa dos Estados Unidos.

O Departamento da Defesa aferiu que 132 civis morreram e 91 ficaram feridos em 2019 em resultado das operações militares dos Estados Unidos no Iraque, Síria, Afeganistão e Somália”, de acordo com um comunicado divulgado na página do Pentágono.

O Pentágono enviou já para o Congresso o relatório anual sobre "Baixas civis em conexão com as operações dos militares dos Estados Unidos". 

A nota acrescentou que “não foram identificadas baixas civis” resultantes das intervenções das Forças Armadas norte-americanas no Iémen ou na Líbia.

Ao longo dos últimos 19 anos, juntamente com os nossos aliados e parceiros, lutámos para proteger a nossa pátria, libertar milhões de pessoas da tirania e salvaguardar civis do terrorismo”, afirmou o Subsecretário para as Políticas de Defesa, James Anderson, citado no comunicado. 

Contudo, o governante assumiu que as operações militares de Washington “por vezes, ferem e matam inadvertidamente civis inocentes”.

O relatório realçou que os Estados Unidos estão a tentar “reduzir o impacto nocivo das operações militares em civis”.

No último ano, o Departamento da Defesa também fez 611 pagamentos na sequência de danos materiais, ferimentos ou mortes influenciadas pelas ações dos militares norte-americanos em territórios estrangeiros, “apesar de não haver responsabilidade ou obrigação em fazê-lo”.

/ RL