As equipas de salvamento que procuram sobreviventes nos destroços da zona afetada pelo deslizamento de terras na quarta-feira na aldeia de Ask, na Noruega, recuperaram até hoje três corpos entre as dez pessoas registadas como desaparecidas.

De acordo com as autoridades, citadas pela AP, nenhuma pessoa foi retirada com vida dos escombros que resultaram de um grande deslizamento de terras na aldeia de Ask, a 25 quilómetros a nordeste de Oslo, a capital da Noruega, na quarta-feira.

Este deslizamento de terras, o mais mortal desde 1853 e que está a chocar este país nórdico, ocorreu devido à construção de habitações numa zona dominada pela argila, apesar dos alertas das autoridades em 2005 para a possibilidade de um acidente como o que ocorreu na semana passada.

As autoridades prometem continuar à procura dos outros sete desaparecidos, já que entre sexta-feira e hoje foram resgatados três corpos já sem vida, e até agora apenas um cão foi retirado vivo dos escombros.

As operações de resgate estão a ser prejudicadas pelo número limitado de horas de sol na Noruega nesta altura do ano e pelo receio de mais deslizamentos, já que o terreno continua instável e não suporta, por exemplo, o peso de um veículo militar, disseram as autoridades, citadas pela AP.

Mais de mil pessoas foram retiradas, e as autoridades dizem que até 1.500 podem ter de ser realojadas devido ao receio de mais deslizamentos.

/ CM