As equipas de resgate encontraram com um vida um bebé de 10 meses nos escombros do prédio que desabou esta segunda-feira após uma explosão de gás na Rússia, depois de terem sido alertada por cães de resgate. A informação foi avançada pela agência de notícias russa TASS, citando fonte do centro de operações de emergência.

As autoridades acreditam tratar-se de Ivan Fokin, que foi encontrado, enrolado numa cama, mais de 17 horas depois de a última pessoa ter sido resgatada com vida. O bebé sobreviveu a temperaturas negativas.

As baixas temperaturas que se fazem sentir na região, que rondam os 30 graus negativos, têm sido o grande obstáculo às operações de resgate, que tiveram de ser interrompidas devido à instabilidade da estrutura. As operações só serão retomadas quando partes dos escombros forem retiradas.

A explosão foi causada por uma fuga de gás e destruiu 48 apartamentos num prédio de 10 andares na cidade de Magnitogorsk, cidade industrial no leito do rio Ural, perto da fronteira com o Cazaquistão. Há pelo menos sete mortos e 36 desaparecidos.

Viviam no prédio mais de mil pessoas, sendo incerto quantas estariam em casa aquando da explosão e desabamento. A explosão aconteceu por volta das 6:00 da manhã, altura em que muitos estariam a dormir, na véspera de Ano Novo, feriado nacional na Rússia.

Vladimir Putin esteve no local na segunda-feira e, por ordem do presidente russo, a ministra da Saúde, Veronika Skvortsova, e o ministro para Situações de Emergência, Yevgeny Zinichev, viajaram de imediato para Magnitogorsk para coordenar as operações de resgate.

Têm-se registado vários incidentes deste género na Rússia nos últimos anos devido à idade das infraestruturas e à fraca regulação de segurança na utilização de gás natural. Em 2015, morreram pelo menos cinco pessoas numa explosão de gás num apartamento em Volgogrado.