A Comissão Europeia anunciou, nesta quarta-feira, um contrato de aquisição conjunta com a farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) para a compra do sotrovimab, um medicamento destinado ao tratamento precoce da covid-19, cuja utilização está a ser analisada pelo regulador europeu.

A Comissão assinou um contrato-quadro de aquisição conjunta com a empresa farmacêutica GSK para o fornecimento de sotrovimab, uma terapia de anticorpos monoclonais de investigação, desenvolvida em colaboração com a biotecnologia VIR”, indica o executivo comunitário em comunicado.

Notando que este medicamento faz parte da “carteira de cinco terapêuticas promissoras” da Comissão Europeia, a instituição assinala que a sua utilização está a ser analisada pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Dezasseis Estados-membros da UE estão a participar na aquisição de até 220 mil tratamentos”, realça Bruxelas.

No que toca ao sotrovimab, a explicação dada pela instituição à imprensa refere que o medicamento “pode ser utilizado para o tratamento de doentes coronavírus com sintomas ligeiros que não necessitam de oxigénio suplementar, mas que estão em alto risco de covid-19 grave”.

Estudos em curso sugerem que o tratamento precoce pode reduzir o número de pacientes que progridem para formas mais graves e requerem hospitalização ou admissão nas unidades de cuidados intensivos”, assinala ainda a Comissão Europeia.

Citada pela nota, a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, realça que este é o “segundo contrato quadro que traz tratamentos com anticorpos monoclonais aos doentes”, fazendo parte da ambição europeia de ter menos três novas terapêuticas autorizadas até outubro.

A par das vacinas, medicamentos seguros e eficazes desempenharão um papel fundamental no regresso da Europa a um novo normal”, adianta Stella Kyriakides.

Os anticorpos monoclonais são proteínas concebidas em laboratório que imitam a capacidade do sistema imunitário de combater o SARS-CoV-2, bloqueando assim a fixação do vírus.

A Comissão Europeia celebrou quase 200 contratos para diferentes respostas médicas no valor de mais de 12 mil milhões de euros.

Com o contrato agora assinado com a GSK, os países da UE podem comprar o sotrovimab se e quando necessário, desde que aprovado ou pelo Estado-membro em questão ou pela EMA.

Este medicamento teve aval de emergência do regulador norte-americano em maio passado.

/ CM