O caso ocorreu no último dia 7 de março, quando Subhakar Khadka recolheu três mulheres em São Francisco, nos Estados Unidos. Minutos depois de dar início à viagem o motorista apercebeu-se que uma das passageiras não estava a usar máscara.

Khadka parou o veículo, numa área de serviço, e pediu à mulher que comprasse uma máscara para prosseguir a viagem. Contudo, o motorista cansou-se da atitude provocatória das passageiras e decidiu que a viagem terminava ali. Anúncio que acabou por enfurecer as clientes, que rapidamente perderam as estribeiras.

No vídeo de 42 segundo, partilhado nas redes sociais, pode ver-se a mulher sentada atrás de Khadka, indentificada como Kimiai, a rasgar a máscara e a tossir propositadamente na direção do motorista. Também a mulher vestida de vermelho, identificada como King, tirou a máscara e gritou: “Tenho corona”.

Num segundo momento, Kimiai salta do banco de trás do veículo numa tentativa de agarrar o telemóvel do motorista. Khadka conseguiu recuperar o aparelho, mas os ânimos ainda não estavam sanados.

Após os confrontos, as mulheres abandonaram a viatura, mas uma delas acabou por regressar. Aproximou-se de uma janela que se encontrava aberta e disparou gás pimenta para o interior do veículo e na direção de Khadka.

O motorista acabou por reportar o incidente às autoridades e à própria Uber, que baniu as três clientes. Khadka explica que a empresa lhe pagou 370 dólares para limpar o veículo.

Neste caso, banimos as três clientes e temos estado em contacto com o sr. Khadka para oferecer apoio”, referiu a Uber, em declarações à CNN.

O cidadão nepalês imigrado nos Estados Unidos acabou por regressar ao trabalho nas ruas de São Francisco, mas rapidamente se arrependeu. 

Ninguém quer sair de casa a um domingo para ir trabalhar, mas lá estava eu. Então, tentei trabalhar, fiz algumas viagens, mas não me sentia bem. Estava sempre a pensar noutras coisas enquanto conduzia e isso não é seguro. Parei e voltei para casa”, explica Khadka.

Khadka explica que partilhou o vídeo para ajudar as autoridades a identificar as suspeitas.

Assim que estejam identificadas, assim que esteja sob custódia policial, vamos avançar com o processo para tribunal. É isso que quero”, explica Khadka.

A Polícia de São Francisco já identificou duas das três mulheres que estiveram envolvidas no incidente: Arna Kimiai e Malaysia King, ambas com 24 anos. 

Malaysia King já foi detida pela polícia de Las Vegas e está acusada por agressão agravada, roubo e por infringir o código de saúde pública. Arna Kimiai tem estado a comunicar com as autoridades através do seu advogado e disse que se vai entregar brevemente. Pode ler-se no comunicado da Polícia de São Francisco.

Após o incidente, Arna Kimiai reagiu ao sucedido nas redes sociais. A jovem não demonstrou qualquer sinal de arrependimento, sente-se defraudada e diz que vai processar a Uber.

Entretanto, uma das primeiras investidoras da Uber Cyan Banister iniciou uma angariação de fundos para ajudar Khadka a com todo o processo.

Subhakar Khadka tem origens nepalesas e imigrou para a Califórnia em busca de melhores condições de vida. Com a pandemia de covid-19, o motorista explica que é notório um aumento dos crimes de ódio contra asiáticos.

Os crimes violentos contra asio-americanos tem aumentado e é revoltante como muita gente pensa que é aceitável tratar outra pessoa assim. Tenho vários amigos que trabalham em lojas de conveniência, bombas de gasolina, atendimento ao cliente e a maioria deles tem o mesmo tipo de histórias. Acredito que a maneira como falo e a minha aparência foram relevantes no que aconteceu”, refere Khadka.

Nuno Mandeiro