A polícia sueca encontrou explosivos por detonar no camião que abalroou a multidão ao início da tarde de sexta-feira, no centro de Estocolmo. A notícia foi, inicialmente, avançada, neste sábado, pela televisão pública sueca, a SVT, e mais tarde confirmada pela polícia, em conferência de imprensa. Morreram quatro pessoas e outras 15 ficaram feridas no atentado terrorista.

De acordo com a SVT, que citava várias fontes policiais, as forças de segurança encontraram uma mala com uma bomba artesanal no interior do veículo, que depois de investir sobre as pessoas numa rua pedonal, a Drottninggatan, embateu contra um edifício comercial, incendiando-se.

No encontro de hoje com os jornalistas, o chefe da polícia nacional sueca, Dan Eliason, confirmou que foi encontrado um objeto no camião, que "pode ser uma bomba ou um engenho pirotécnico" que carece, todavia, de mais investigação.

Dan Eliason disse, também, que as autoridades estão confiantes de que o suspeito detido na sexta-feira foi o autor do ataque. "Tudo indica que temos a pessoa certa", afirmou, citado pelas agências internacionais.

O procurador sueco Hans Ihrman confirmou que o homem detido é um cidadão do Uzbequistão, de 39 anos, que estava identificado pelas autoridades e que em tempos já tinha sido investigado. 

O diretor dos serviços de segurança da Suécia, Anders Thornberg, disse que "o suspeito não aparecia nos relatórios mais recentes" e que estão a trocar informações com outros países, mas sem querer avançar mais detalhes.

As autoridades também não conseguiram precisar se há mais suspeitos envolvidos, mas não excluem essa hipótese.

De acordo com a SVT, este presumível condutor do camião era simpatizante do Estado Islâmico.

O Ministério Público sueco já tinha confirma neste dia que uma pessoa "foi formalmente identificada" como suspeita de "homicídios de natureza terrorista", que será presente a tribunal até ao início da tarde de terça-feira.

As autoridades estão a tratar o incidente como um atentado terrorista.

"A Suécia foi atacada", afirmou o primeiro-ministro, Stefan Lofven.

Segundo um último balanço dos serviços de saúde, o número de feridos hospitalizados foi revisto em alta para dez, havendo quatro vítimas em estado grave, duas delas internadas nos cuidados intensivos. Entre os feridos que não inspiram cuidados encontra-se uma criança. Outros seis feridos já receberam alta hospitalar.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal adiantou não ter, até ao momento, informação de haver portugueses entre as vítimas. 

"A informação que temos das autoridades suecas é que tudo leva a crer que se trata de um atentado que lamentamos e condenamos veementemente", disse Augusto Santos Silva, sublinhando que as informações que a embaixada portuguesa em Estocolmo tem "não permitem dizer que qualquer cidadão ou cidadã nacional esteja envolvido".

Catarina Machado / notícia atualizada