Um médico descobriu numa mulher tailandesa quatro abelhas, vivas, a viver dentro de um dos seus olhos. Foram todas retiradas depois de a mulher ter procurado ajuda médica porque tinha dores e o inchaço não passava.

A mulher de 28 anos, que arrancava ervas daninhas quando os insetos voaram para o olho, achou que se tratava de poeiras que ali foram parar numa rajada de vento.

As dores eram constantes, e o inchaço teimava em não desaparecer, e He, assim se chama a mulher, decidiu, horas depois, procurar ajuda no hospital para perceber o que se passava.

Foi então que o médico Hong Chi Ting, do hospital universitário de Fooyin, na Tailândia, percebeu que havia uma comunidade de abelhas a habitar o olho da mulher.

De acordo com o médico, que disse à BBC ter ficado “chocado” com o que viu, os insetos de 4 milímetros foram retirados pelas patas e continuaram vivos.

Ela não conseguia fechar os olhos. Eu analisei com o microscópio e vi alguma coisa preta que parecia uma pata de um inseto. Puxei pela pata e, devagar, consegui tirar uma abelha, depois vi outra, e outra e por fim outra”, contou o médico oftalmologista.

Acrescentou o especialista que a mulher “teve sorte” por estar a usar lentes de contacto e não ter esfregado os olhos.

Ela usava lentes de contacto e por isso nem se atreveu a esfregar os olhos com medo de estragar as lentes. Se o tivesse feito, podia ter estimulado as abelhas a produzirem veneno dentro do olho. Podia ter ficado cega”, contou Hong Chi Ting.

Esta espécie de abelhas, também conhecida como Halictidae, são atraídas pelo suor e pelo sal da transpiração, que também existe nas lágrimas. Por vezes pousam nas pessoas para absorver o suor, dado o elevado valor proteico.