O número de capitais provinciais afegãs dominadas pelos talibãs em pouco mais de uma semana elevou-se este sábado a 18 após a captura nas últimas horas de Sharana, capital da província de Paktika, no sudeste do país.

Citando pela agência Efe, o deputado da câmara baixa do parlamento afegão Cálix Asas disse que os talibãs entraram na cidade de Charrana e que o controlo da cidade lhes foi entregue pacificamente e “sem disparar uma bala”.

Os talibãs também já reivindicaram a captura da capital provincial.

Os mujahideen do emirado islâmico [como os talibãs se autodenominam] entraram na cidade de Sharana, em Paktika. Todos os postos de controlo defensivos na cidade foram conquistados", informou na rede social Twitter o porta-voz, Zabihullah Mujahid.

A queda da Sharana ocorre num contexto do avanço imparável dos talibãs que, após a fase final da retirada de solo afegão das tropas dos EUA e da NATO do Afeganistão, aumentaram as suas ofensivas.

A agência AP indica entretanto, citando autoridades afegãs, que os talibãs prosseguem ofensivas noutros pontos do país, tendo tomado uma província ao sul da capital do Afeganistão e lançado um ataque a uma grande cidade no norte.

Nos últimos três meses e meio, os rebeldes assumiram o controlo de 140 centros distritais, 18 capitais de província e quase dez passagens de fronteira, a maior conquista territorial em duas décadas de guerra.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas já manifestou a sua preocupação com a escalada da violência no Afeganistão na sequência da ofensiva militar lançada pelos talibãs e instou os rebeldes e o Governo afegão a negociar.

Presidente afegão avança com consultas para terminar conflito com talibãs

O Presidente afegão, Ashraf Ghani, informou hoje que está a desenvolver contactos políticos com vista restabelecer a "paz e estabilidade" no país, onde os talibãs têm vindo a conquistar terreno numa ofensiva contra as forças afegãs.

"Iniciei consultas", que "estão a avançar rapidamente", dentro do governo, com líderes políticos e com parceiros internacionais, para encontrar "uma solução política em que a paz e a estabilidade sejam proporcionadas ao povo afegão", disse Ghani, numa declaração transmitida pela televisão, a primeira desde os grandes avanços das forças rebeldes nos últimos dias.

“A remobilização das nossas forças de segurança e defesa é a nossa prioridade número um”, acrescentou.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas já manifestou a sua preocupação com a escalada da violência no Afeganistão na sequência da ofensiva militar lançada pelos talibãs e instou os rebeldes e o Governo a negociar.

Agência Lusa