O ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão declarou esta terça-feira o apoio do seu país ao autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

O nosso país pediu eleições antecipadas (…), mas infelizmente isso ainda não aconteceu", disse Taro Kono durante uma conferência de imprensa.

 

Dadas as circunstâncias, apoiamos claramente o Presidente interino Guaidó e apelamos novamente ao país para que realize eleições livres e justas", disse Kono.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.

Na Venezuela residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.