A China intensificou esta sexta-feira a pressão sobre a Austrália com a imposição de punições antidumping sobre vinhos importados do país, no mais recente sinal da crescente tensão diplomática entre os parceiros comerciais.

Em comunicado, o Ministério do Comércio da China disse que uma investigação preliminar revelou que a indústria vinícola chinesa sofreu "danos materiais", como resultado do dumping praticado pelo vinho australiano.

O dumping define-se como a prática de preços de venda abaixo do valor normal, ou seja, preços abaixo do custo produção ou de aquisição, com o objetivo de prejudicar a concorrência.

A partir de sábado, as alfândegas chinesas vão impor sobretaxas entre 107,1% e 212,1% ao vinho oriundo da Austrália, detalhou o mesmo comunicado.

A Austrália garantiu hoje que vai "defender ardentemente" o seu setor vitivinícola contra as medidas impostas por Pequim.

O Ministro da Agricultura australiano disse que pretende apresentar o caso à Organização Mundial do Comércio (OMC).

O Governo australiano defenderá vigorosamente o setor" contra esta decisão, declarou David Littleproud, que pretende "esgotar todos os meios (de recurso) possíveis através da OMC".

Em agosto, o Ministério do Comércio chinês anunciou o lançamento de investigações visando vinhos australianos importados ao longo de 2019, face às tensões crescentes entre a China e a Austrália.

As relações entre Pequim e Camberra deterioraram-se desde que o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, se aliou aos Estados Unidos, em abril passado, no apelo por uma investigação internacional sobre as origens do novo coronavírus.

No final de abril, o embaixador chinês em Canberra, Cheng Jingye, alertou que o pedido da Austrália poderia levar a um boicote por parte dos consumidores chineses.

Talvez as pessoas se questionem ?por que devemos beber vinho australiano? Comer carne australiana?", disse, numa ameaça velada.

As exportações de vinho australiano para o país asiático ascenderam a 1,25 bilhão de dólares australianos (760 milhões de euros), no ano passado, de acordo com Canberra. É o maior mercado de exportação daquele produto.

A China, o principal parceiro comercial da Austrália, já restringiu as importações de carne bovina australiana, impôs tarifas sobre a cevada australiana e desencorajou os seus cidadãos de visitarem o país.

/ LF