A Organização Mundial de Saúde (OMS) reagiu esta quinta-feira à decisão dos Estados em apoiar o levantamento de patentes das vacinas contra a covid-19.

Para o diretor-geral da OMS, esta é uma decisão que pode mudar o curso da pandemia, permitindo o acesso equitativo aos fármacos desenvolvidos.

"Este é um momento monumental na luta contra a covid-19. O compromisso dos Estados Unidos em apoiar o levantamento em vacinas é um exemplo poderoso de liderança para enfrentar os desafios globais da saúde"

Recomendo esta decisão histórica para a equidade de vacinas, priorizando o bem-estar de todas as pessoas em todos os lugares num momento crítico. Agora vamos todos mover-nos rapidamente, em solidariedade, construindo sobre o compromisso dos cientistas que produziram as vacinas", afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus

Esta proposta surgiu pela primeira vez em outubro de 2020, pelas mãos de África do Sul e Índia, e agora foi levada ao Conselho Geral da OMC. Na altura, a intenção destes países passava sobretudo por utilizar a capacidade de produção local para depois aumentar a exportação mundial.

A proposta inicial enfrentou fortes resistências de alguns dos países mais influentes, muitos deles sedes das empresas farmacêuticas e biotecnológicas que produzem as vacinas. Com o apoio dos Estados Unidos, poderá ser mais fácil inserir neste acordo a Johnson & Johsnon, a Moderna e a Pfizer, todas elas empresas norte-americanas.

Rafaela Laja