Os Guardas da Revolução do Irão anunciaram hoje terem abatido um avião não-tripulado (drone) norte-americano, em violação do espaço aéreo no sul do país, numa nova escalada de tensão entre Washington e Teerão. Os Estados Unidos confirmaram, entretanto que um drone, pequeno avião não tripulado, da Marinha norte-americana foi abatido pelo Irão.

Segundo um comunicado do Pentágono, o drone de vigilância foi abatido quando se encontrava em “espaço aéreo internacional”.

De acordo com os responsáveis pela Defesa americana, “as informações iranianas segundo as quais o engenho aéreo sobrevoava o Irão são falsas”.

De acordo com a Press TV, o canal de informação em inglês da televisão estatal iraniana, um modelo Global Hawk, da empresa norte-americana Northrop Grumman, "foi abatido pela força aérea" de Teerão, na província costeira de Hormozgan, no sul do Irão.

A televisão estatal não forneceu, contudo, imagens do drone abatido.

Este incidente ocorre num contexto de fortes tensões entre o Irão e os Estados Unidos e depois de, na passada quinta-feira, dois petroleiros, um norueguês e um japonês, terem sido foram alvo de ataques no estreito de Ormuz.

O Irão negou qualquer envolvimento nos ataques, e sugeriu que podia tratar-se de um golpe norte-americano para justificar o uso da força contra a República Islâmica.

Na segunda-feira, os países-membros da UE mostraram-se prudentes na atribuição de responsabilidades nos ataques no golfo de Omã, recusando-se a alinhar com Washington e Londres, que culparam Teerão, e ainda a Arábia Saudita, rival regional do xiita Irão e aliada dos Estados Unidos.

Vários ministros presentes no Conselho de Negócios Estrangeiros da UE manifestaram apoio à posição defendida pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, e a Alta Representante para a Política Externa e de Segurança dos 28, Federica Mogherini, admitiu a preocupação do bloco “com o risco de derrapagem".

Também na segunda-feira, o ministro da Defesa norte-americano, Patrick Shanahan, anunciou que vão ser enviados cerca de mil soldados para o Médio Oriente, sustentando que “os recentes ataques iranianos validam informações viáveis e credíveis sobre o comportamento hostil das forças iranianas e dos grupos que apoiam, o que representa uma ameaça para os cidadãos e os interesses norte-americanos no conjunto da região”.

Em meados de maio, o Pentágono já tinha enviado para o golfo um porta-aviões, o USS "Abraham Lincoln”, um navio de guerra, bombardeiros B-52 e uma bateria de mísseis Patriot. No final do mesmo mês, tinha anunciado a transferência para o Médio Oriente de mais 1.500 soldados.

O diferendo entre os Estados Unidos e o Irão é longo e a crispação está a aumentar desde que o Presidente norte-americano, Donald Trump, retirou, há um ano, o país do acordo nuclear internacional de 2015, assinado entre os 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China – mais a Alemanha) e o Irão, restaurando sanções devastadoras para a economia iraniana.