Os fãs andavam a pedir isto há mais de 15 anos. “Friends: The Reunion” volta a juntar, em frente das câmaras, pela primeira vez desde o final da série de televisão, os seis atores de “Friends”: Jennifer Aniston, Courteney Cox, Lisa Kudrow, Matt LeBlanc, Matthew Perry e David Schwimmer. O episódio estará disponível - em todo o mundo e também em Portugal - na HBO a partir de quinta-feira.

Para que fique claro: “Friends: The Reunion” não é um novo episódio de “Friends”. Não vamos ficar a saber como envelheceram as personagens, se os casamentos deram certo ou se houve divórcios, se Joe se tornou um ator famoso, se Rachel desistiu de trabalhar em moda, em que jovens impertinentes se tornaram os filhos de todos. Nada disso. 

Aqui, os atores aparecem como eles próprios e vão recordar como se conheceram, contar histórias de bastidores e revisitar alguns dos momentos da série. Há muitas gargalhadas e alguma emoção, como acontece quando velhos amigos se reencontram (e é até provável que “Chandler” consiga, finalmente, chorar). Entre o grupo de atores, todos cinquentões, há quem tenha rugas e cabelos brancos mas também há quem tenha claramente exagerado no botox. 

O ator e apresentador James Corden é o anfitrião do programa, conduzindo a conversa que (aparentemente) não terá sido ensaiada. Os atores respondem a muitas perguntas, incluindo aquela cuja resposta continua a ser motivo de discórdia: afinal, Rachel e Ross estavam ou não numa pausa na sua relação?

O que podemos esperar deste reencontro?

No trailer, é possível ver que o elenco vai aos estúdios visitar os cenários onde foram gravadas a maior parte das cenas: o apartamento de Monica e Rachel e o apartamento em frente, de Chandler e Joe, assim como o Central Perk, o café onde os amigos se encontravam e abancavam durante horas, sentados nos sofás com enormes chávenas de café nas mãos. Também visitam a fonte que aparece no genérico que tornou famosa a canção “I'll Be there for you”, feita de propósito pelos The Rembrandts.

Além disso, vemos os atores numa “leitura de mesa” onde reinterpretam algumas cenas d’”aquele episódio em que todos descobrem” a relação de Monica e Chandler.

Recriando um dos episódios da quarta temporada, os atores organizam um quizz em que as equipas dos rapazes e das raparigas competem para ver quem é que sabe mais sobre os outros.

Há ainda um desfile com algumas das roupas usadas pelas personagens na série - por exemplo o fato de tatu usado por Ross num episódio sobre o Natal e o Hanukkah.

E vemos Phoebe com a guitarra na mão, o que pode querer dizer que teremos direito a mais uma desafinada interpretação do tema “Smelly Cat”.

Quem vai aparecer neste episódio?

Entre os convidados para a reunião, destacam-se vários dos atores secundários que participaram ao longo das dez temporadas de "Friends": Maggie Wheeler, que interpretava Janice, a namorada de Chandler conhecida pela sua voz e gargalhada estridentes (“Oh my God”), irá aparecer, assim como Tom Selleck (que foi Richard, um dos namorados de Monica), Reese Witherspoon (que fazia a irmã de Rachel, Jill), Elliot Gould e Christina Pickles (os pais de Monica e Ross), James Michael Tyler (o empregado do café e eterno apaixonado por Rachel, Gunther) e Larry Hankin (o vizinho de baixo, Mr. Heckles).

Na lista de celebridades que também vão aparecer estão os cantores Cara Delevingne, Lady Gaga e Justin Bieber, o grupo sul-coreano BTS, a atriz Mindy Kaling, a ativista paquistanesa Malala Yousafzai, o jogador David Beckham e a super-modelo Cindy Crawford.

Porque é que ainda gostamos de “Friends”?

Num dos momentos do trailer, Jennifer Aniston conta que, quando se foi despedir do trabalho em que estava para ir fazer “Friends”, o produtor avisou-a: “Sabes que essa série não te vai transformar numa estrela”. Não poderia estar mais enganado. 

“Friends” estreou nos Estados Unidos a 22 de setembro de 1994 e o sucesso foi imediato. A ideia da NBC e dos argumentistas David Crane e Marta Kaufman era fazer uma série sobre um grupo de amigos com 20 e poucos anos, naquele momento a que se costuma chamar o início da idade adulta: estão a começar as suas carreiras, moram com amigos, procuram o amor, divertem-se. 

O segredo do sucesso, dizem os críticos de televisão, está nos diálogos extremamente bem escritos e na empatia gerada pelas personagens.

Sem pretensões a ser mais do que uma série de humor, sem reflexões políticas ou sociais, e acusada por alguns de se limitar a apresentar um grupo de jovens brancos, bonitos e privilegiados, a série tinha, no entanto, alguns apontamentos que iam além do estereótipo: um feliz casal de lésbicas (Carol, a ex-mulher de Ross, e Susan) e uma personagem transexual (o pai de Chandler, Charles, torna-se Helena e é interpretada por Kathleen Turner), já para não falar da diversidade das namoradas de Ross. E, pontualmente, embora sempre em modo "light", eram abordados temas mais sérios, como a pobreza (na história de Phoebe) e a infertilidade (Monica e Chandler não conseguem engravidar e acabam por recorrer a uma barriga de aluguer). 

A verdade é que, de uma maneira geral, o humor de “Friends” resistiu bem à passagem do tempo, de tal forma que a série continuou a conquistar público mais jovem.

Após dez temporadas de sucesso, o último episódio foi para o ar a 6 de maio de 2004 e teve 52,5 milhões de espectadores só nos EUA. Desde então, a série tem estado constantemente a ser repetida. Depois de ter estado disponível na Netflix, há dois anos a HBO pagou 425 milhões de dólares (349 milhões de euros) pelos direitos de exibição. Em Portugal, “Friends” tem estado também exibição na Fox Comedy.

Maria João Caetano