A polícia antiterrorista italiana apreendeu um míssil ar-ar e outro armamento de guerra numa rusga realizada no norte de Itália, com o objetivo de desmantelar grupos de extrema direita. A operação resultou ainda na detenção de três homens e na apreensão de vários materiais de propaganda neonazi.

Os meios de comunicação italianos revelaram os nomes dos que foram detidos nesta operação: Fabio Del Bergiolo, de 50 anos, membro do partido de extrema-direita Forza Nuova, Fabio Bernardi, de 51 anos, - ambos italianos - e Alessandro Monti, de 42,  de nacionalidade suíça.

O advogado de Bergiolo disse à imprensa que o cliente é entusiasta e colecionador de armamento e que as armas apreendidas não estavam ligadas a ações terroristas. Os advogados dos restantes detidos não quiseram comentar o caso.

As autoridades suspeitam que o míssil, um Matra Super 530 F de 800kg, que está operacional, terá pertencido, originalmente, às forças armadas do Qatar. A polícia italiana está a tentar determinar como chegou a Itália.

A polícia de Turim revelou que as rusgas faziam parte de uma investigação, que já durava há cerca de um ano, ao envolvimento de grupos de extrema-direita italiana nos conflitos do leste da Ucrânia. Esta investigação foi conduzida com base em mensagens trocadas através de WhatsApp.

“Até agora, nada nos leva a suspeitar de um plano em marcha para o uso destas armas.” explicou Eugenio Spinan, um responsável da polícia antiterrorismo.

 

“Temos algumas ideias sobre o que iriam fazer com o material apreendido, mas de momento não podemos revelar as hipóteses”, explicou De Matteis, o chefe da polícia de Turim, aos media.