A polícia da Nova Zelândia matou o autor de um ataque terrorista que feriu hoje seis pessoas, três delas em estado crítico, num supermercado na cidade de Aukland.

O ataque aconteceu no supermercado do centro comercial LynnMall esta sexta-feira. O homem usou uma faca de grandes dimensões e começou a esfaquear pessoas indiscriminadamente. As forças de segurança agiram imediatamente.

"Foi um ataque violento e sem sentido contra inocentes neozelandeses", disse a primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, numa conferência de imprensa, adiantando que o "extremista" era conhecido das autoridades. Jacinda Arden classificou o ataque de terrorista.

O que aconteceu hoje foi desprezível, foi odioso, foi errado", disse ela, descrevendo o atacante como um cidadão do Sri Lanka que chegou à Nova Zelândia em 2011.

O atacante inspirou-se nas ações do grupo extremista Estado islâmico, era conhecido das agências de segurança nacionais e estava a ser monitorizado 24 horas por dia, acrescentou Arden. No momento do ataque, o indivíduo estava a ser seguido pelas autoridades.

"Era tido como uma ameaça desde 2016", mas, "por lei, não podia ser mantido na prisão", explicou.

Auckland está num estrito confinamento, uma vez que combate um surto do coronavírus. A maioria das empresas está fechada e as pessoas são geralmente autorizadas a deixar as suas casas apenas para comprar mercearias, para necessidades médicas, ou para fazer exercício.

Um vídeo de um dos clientes, gravado dentro do supermercado, regista o som de dez tiros disparados.

/ MJC