“Eu fiz metade de Manhattan a correr, mas o que vivi no Bataclan foi 1.000 vezes pior”.


ao atentado no Bataclan





“Avancei centímetro a centímetro. A certa altura vi a alavanca da saída ao alcance do meu braço. Consegui agarrá-la com um dedo, depois com o outro.


que saiu de casa para ajudar as vítimas



“Senti algo quente a escorrer sobre mim, depois ouvi asneiras e, novamente, mais tiros”, acrescentou Matthew.