Freddie Mack, de 57 anos, estava desaparecido há meses. A família tentou contactá-lo e entrar na quinta de que era proprietário, mas foi impedida pelos cães, que eram particularmente agressivos.

As autoridades do Texas também tiveram dificuldades em entrar na quinta, mas quando entraram fizeram uma descoberta macabra. Encontraram restos de ossos nas fezes dos cães e os exames de ADN revelaram que pertenciam a Freddie, avança fonte do gabinete do xerife do condado de Johnson.

A descoberta leva as autoridades a acreditarem que o corpo do homem foi integralmente comido pelos cães, já que não foram encontrados outros restos mortais na propriedade.

Citado pela imprensa norte-americana, o agente Aaron Pitts, que está a investigar o caso, diz que, aparentemente, os 18 cães, de raças variadas comeram, na íntegra, o corpo de Freddie, incluindo as roupas e o cabelo. Nas fezes dos animais foram encontrados apenas fragmentos ósseos que não iam além dos escassos milímetros.

“Nunca tínhamos ouvido falar, nem ninguém que conheçamos ouviu falar de um corpo humano que tenha sido integralmente consumido. Os ossos estavam completamente partidos e tinham sido comidos”, disse o agente à Associated Press.

As autoridades não conseguem confirmar se Freddie Mack morreu de doença ou se foi morto pelos animais. Sabe-se que o homem sofria de graves problemas de saúde.

Freddie era um homem solitário. Quase um ermita. Era frequente ficar sem contactar ninguém durante vários dias. A família comunicou o seu desaparecimento às autoridades em maio, depois de estar sem conseguir falar com ele desde meados de abril.

A família tentou entrar na quinta e não conseguiu. Os agentes da polícia tiveram de usar manobras para distrair os animais e conseguir entrar. Revistaram a quinta de fio a pavio e não encontraram o homem.

Depois de dias de buscas, regressaram à propriedade. Estre as ervas altas, encontraram fezes dos cães com pedaços de osso e bocados daquilo que lhes parecia ser cabelo humano, bem como restos de tecido. Testes de ADN vieram confirmar que pertenciam ao homem desaparecido.

A polícia adianta ainda outro pormenor impressionante: dois dos cães terão sido mortos pela própria matilha. Dos restantes, 13 foram abatidos pela “sua natureza agressiva” e três foram dados para adoção.

As autoridades acrescentam que os cães eram bem cuidados e bem alimentados. A polícia já os conhecia, porque numa das vezes que Freddie fora inernado, em 2017, contactou as autoridades para que alguém fosse cuidar dos animais.

“Aquele homem amava aqueles animais”, resume Aaron Pitts.