A presidente da câmara de Washington, Muriel Bowser, pediu ao Departamento de Segurança Interna que tome várias medidas para reforçar a segurança na cidade no período que abrange a tomada de posse do presidente eleito Joe Biden.

Numa carta dirigida ao secretário interino Chad Wolf, datada de sábado, a autarca de Washington lembra que “na sequência do ataque terrorista sem precedentes no Capitólio dos Estados Unidos” na passada quarta-feira, numa altura em que permanecem as ameaças de violência no país, se impõe “uma abordagem muito diferente” dos serviços de segurança à tomada de posse de Joe Biden do que àquelas que a precederam.

Vou apelar a uma vasta dimensão de parceiros locais, regionais e federais para reforçar a cooperação entre as nossas instituições, mas insto fortemente o Departamento de Segurança Interna a ajustar a sua abordagem à tomada de posse de várias maneiras específicas”, pode ler-se na carta, partilhada hoje por Bowser nas redes sociais.

Em primeiro lugar, é pedido ao Departamento de Segurança Interna que estenda o período de segurança especial nacional de 11 a 24 de janeiro, em vez do inicialmente previsto entre 19 e 21 deste mês.

Muriel Bowser requer ainda que seja feita uma “declaração pré-desastre” que permita “expeditar e reforçar a assistência federal direta necessária para preparar a tomada de posse”.

Em terceiro lugar, o Distrito de Columbia pede ao Departamento de Segurança Interna que se coordene com os departamento de Defesa e Justiça, com o Congresso dos Estados Unidos e com o Supremo Tribunal para estabelecer um plano de destacamento de forças federais e de segurança para toda a propriedade federal, o que vai permitir que o Departamento da Polícia Metropolitana se foque na sua missão local”, acrescenta a missiva.

Adicionalmente, é pedido que sejam canceladas todas as autorizações para reuniões públicas em Washington e que não sejam atribuídas quaisquer permissões para encontros entre 11 e 24 de janeiro, algo que Bowser diz ter requerido desde junho de 2020 devido à pandemia de covid-19.

Os pedidos que constam desta carta – se aplicados de forma abrangente e rápida – são essenciais para demonstrar a nossa resolução coletiva na garantia de uma transição de poder constitucional e da capital da nossa nação nos dias que a precedem”, referiu ainda Bowser.

Pelo menos cinco pessoas morreram na invasão do Capitólio na passada quarta-feira, anunciou a polícia, que deu conta de que tanto as forças de segurança, como os apoiantes de Trump utilizaram substâncias químicas durante a ocupação do edifício.

/ AG