As autoridades de Torrox, na Andaluzia, intensificaram este ano a fiscalização nas praias, por causa da pandemia de Covid-19. Se já era proibido marcar lugar nas praias e já dava direito a multa, a fiscalização desta prática intensificou-se este ano e com medidas mais drásticas.

A atividade fiscalizadora da Polícia Civil e da Proteção Civil de Torrox centra-se sobretudo nas praias mais concorridas, como Ferrara e El Morche.

De acordo com o jornal Diário del Sur, é prática comum os banhistas deixarem o guarda-sol e as cadeiras na praia, para reservar o lugar, e irem almoçar ou dormir uma sesta. Este ano, com os lugares mais limitados na praia por causa do distanciamento exigido pela pandemia, a prática intensificou-se e a atenção das autoridades também.

Este ano, acrescentamos a questão da Covid-19 como uma razão adicional para sermos responsáveis e não deixarmos que esses pertences ocupem um espaço que, por motivos de distanciamento, possam ser usados por outros banhistas. Passear, comer num bar perto pode ser feito e, nesse caso, informação a Polícia Local e não haverá lugar a multa”, esclarece o Ayuntamiento de Torrox, num comunicado citado pelo Diário Del Sur.

Com a limitação da lotação nas praias é cada vez mais difícil arranjar lugar e é comum as famílias deixarem as toalhas, as espreguiçadeiras, o guarda-sol e até barcos de borracha, enquanto vão a casa almoçar ou dormir uma sesta.

Além das multas a quem deixe lugar marcado na praia, as autoridades estão a recolhê-los e a confisca-los.

Além da multa, os banhistas veem os bens que deixam na praia serem confiscado pela Polícia Civil

O Ayuntamiento de Torrox tem feito várias publicações nas redes sociais a alertar os banhistas para esta situação, incluindo fotografias de polícias a passar multas e a recolher cadeiras de praia e restantes bens.

Manuela Micael