A polícia brasileira está a investigar um crime de tortura alegadamente cometido por dois seguranças de um supermercado em São Paulo: os dois chicotearam um adolescente de 17 anos que terá roubado chocolates na superfície comercial. 

O vídeo das agressões chegou às redes sociais e tornou-se viral. As imagens monstram o jovem nu, com as mãos amarradas e amordaçado enquanto é chicoteado com um cabo de eletricidade.

Segundo o G1, foi aberta uma investigação à agressão, que aconteceu no mês passado num supermercado Ricoy, na Vila Joaniza, zona sul de São Paulo.

 

O detetive que está a investigar o caso diz-se "chocado". Pedro Luís de Souza, citado pela imprensa, descreveu o episódio como "uma cena de há séculos", referindo-se à forma como eram tratados os negros durante o período da escravatura, já que o adolescente agredido é negro.

Em comunicado, o supermercado informou que os dois vigilantes tinham sido subcontratados a outra empresa e que já foram afastados.

A empresa repugna esta atitude e foi com indignação que tomou conhecimento dos factos por intermédio da reportagem", refere a nota dos estabelecimentos comerciais, que acrescenta que os responsáveis irão colaborar com as autoridades na investigação do caso.

O crime de tortura é punido no Brasil com uma pena de dois a oito anos de prisão. 

A vítima, que não foi identificada, admite que aquela foi a terceira vez em que foi agredido pelos seguranças do supermercado por roubar. "Eles disseram-me que me matavam se contasse a alguém", disse, citado pela imprensa brasileira.

Humberto Adami, advogado e presidente da Comisssão Nacipnal da Verdade da Escravidão Negra no Brasil, já veio dizer que o ato evidentcia o racismo da sociedade brasileira.

Não é um incidente isolado. Mas foi filmado", sublinhou.