O Presidente Barack Obama vai autorizar a publicação de um relatório datado da administração anterior que pormenoriza os métodos de tortura usados por autoridades dos Estados Unidos contra prisioneiros suspeitos de terrorismo, anunciou a revista Newesweek, citada pela Lusa.

O relatório, sob a forma de três notas internas, foi redigido por juristas do Departamento da Justiça do Governo de George W. Bush e fornece pela primeira vez pormenores sobre as técnicas de interrogatório dos presumidos terroristas.

Esta publicação sucede-se a uma outra, no início de Março, com nove notas internas datadas de 2001 a 2003, que serviram de base legal aos controversos métodos utilizados.

Os documentos surgem na sequência do compromisso de Barack Obama de pôr fim aos métodos de interrogatório contestados, nomeadamente o «waterboarding», que consiste na simulação do afogamento do interrogado.

Eric Holder, o responsável pelo Departamento de Justiça, anunciou, no início de Março, a proibição do «waterboarding».

«A utilização e a autorização da tortura são contrárias à história da jurisprudência e dos valor americanos», disse Holder. «Isso mina a nossa capacidade de fazer justiça de modo equitativo e coloca em perigo os nossos próprios soldados, se vierem a ser capturados num campo de batalha no estrangeiro», afirmou.

Segundo a Newsweek, responsáveis dos serviços secretos continuam a opor-se à publicação destas três notas internas, prevendo que elas darão aos inimigos um quadro das pretensões e estratégias norte-americanas.
Redação / CR