Quase seis meses após um raro transplante de rosto e mãos, Joe DiMeo está a começar a voltar a sorrir, piscar, beliscar e apertar.

Nativo de Nova Jérsia, Estados Unidos,  Joe tem 22 anos e foi operado em agosto passado, dois anos depois de sofrer queimaduras graves na sequência de um acidente de carro.

Eu sabia que seriam passos de bebé até o fim”, disse Joe à Associated Press, que lhe dedicou uma reportagem. “É preciso ter muita motivação, muita paciência”.

 

 

De acordo com as especialistas, a cirurgia de transplante foi um sucesso. Uma raridade, já que até hoje apenas 18 transplantes faciais e 35 transplantes de mãos foram realizados com sucesso.

Porém, o transplante facial ao mesmo tempo de um transplante de mãos é uma prática cirúrgica extremamente rara e apenas tentada duas vezes no mundo. A primeira tentativa foi num paciente em Paris que morreu um mês após a cirurgia.

Dois anos depois, uma equipa de médicos de Boston tentou a mesma cirurgia numa mulher que foi atacada por um chimpanzé, mas acabaram por ter de remover as mãos transplantadas dias depois.

O facto de eles terem conseguido é fenomenal”, disse Bohdan Pomahac, um cirurgião que liderou a segunda tentativa. “Eu sei em primeira mão que é incrivelmente complicado. É um tremendo sucesso.”

Joe DiMeo terá de tomar medicamentos o resto da vida para evitar a rejeição dos transplantes, bem como fará reabilitação contínua para conseguir controlar as sensações e as funções do seu novo rosto e mãos.