O Senado norteamericano aprovou este sábado a nomeação do magistrado Brett Kavanaugh, para juiz do Supremo Tribunal, avança a Reuters. O juiz, envolvido numa polémica, foi escolhido pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump,

Recorde-se que Kavanaugh foi acusado publicamente por três mulheres de abusos sexuais, entre elas Christine Blasey Ford, que há uma semana contou a sua versão numa audiência pública perante o Senado sobre factos que supostamente ocorreram durante uma festa em 1982.

Na última semana, Trump parodiou o testemunho da psicóloga e hoje reagiu rapidamente ao aval dado pelo Senado. "Aplaudo e felicito a confirmação pelo Senado do nosso grande nomeado. Mais tarde, hoje assinarei a sua designação e ele vai jurar [o seu novo cargo] oficialmente. Muito emocionante!".

A bordo do Air Force One, o avião presidencial, o presidente dos Estados Unidos disse ter "100%" de certeza que Christine Blasey Ford refere-se à pessoa errada ao acusar Kavanaugh no seu testemunho.

Contestação

Pelo menos 302 pessoas foram detidas na quinta-feira por protestarem ilegalmente dentro do edifício do Senado dos Estados Unidos precisamente contra esta nomeação, que vem agora a confirmar-se.

De acordo com a polícia dos EUA, os manifestantes começaram a protestar nos degraus do Capitólio, edifício onde se encontram o Senado e a Câmara dos Representantes.

Contudo e depois de as autoridades bloquearem os degraus, os manifestantes dirigiram-se para dentro do átrio do Hart Senate Office Building, um de três edifícios de escritórios do Senado norte-americano.

A votação

O magistrado obteve 50 votos a favor e 48 contra, oferecendo uma importante vitória política ao Presidente Donald Trump.

A confirmação de Kavanaugh para o Senado dos Estados Unidos deverá colocar em minoria os juízes progressistas no seio da mais alta instância judiciária americana.

Na sexta-feira, já tinha vencido uma primeira votação preliminar do Senado no processo de confirmação para juiz do Supremo Tribunal, com 51 votos contra 49.

No entanto, a pressão social contra a confirmação de Kavanaugh reforçou-se nos últimos dias, com centenas de mobilizações em todo o país.