Espanha irá levantar a quarentena para turistas estrangeiros a partir de 1 de julho, divulgou esta segunda-feira o governo espanhol, que dá assim um novo passo no alívio das restrições impostas por causa da pandemia de Covid-19.

A decisão foi tomada numa reunião interministerial, realizada esta segunda-feira por videoconferência, que contou com a participação das vice-presidentes do executivo espanhol, Teresa Ribera e Nadia Calviño, e da ministra dos Negócios Estrangeiros, Arancha González Laya.

Também assistiram à reunião os ministros das pastas da Segurança Interna (Fernando Grande-Marlaska), Transportes (José Luis Abalos), Saúde (Salvador Illa) e da Indústria, Comércio e Turismo (Reyes Maroto).

O encontro interministerial foi convocado para analisar, em particular, o levantamento da quarentena para visitantes estrangeiros e as possíveis e necessárias medidas a adotar pelo setor do turismo de forma a organizar a futura temporada de verão e garantir as férias de milhões de pessoas em Espanha.

Numa mensagem publicada nas redes sociais, a chefe da diplomacia espanhola confirmou que os turistas estrangeiros poderão começar a entrar no território espanhol a partir de01 de julho, altura em que o turismo internacional irá começar “gradualmente” a ser reativado com as condições de segurança sanitárias necessárias.

O mais difícil ficou para trás”, afirmou a ministra, que publicou a mesma mensagem em inglês.

“Estamos ansiosos para lhe dar as boas-vindas”, concluiu Arancha González Laya, dirigindo-se diretamente aos visitantes estrangeiros.

Com 28.752 mortos e mais de 235 mil casos de infeção pelo novo coronavírus, Espanha é um dos países europeus mais afetados pela atual pandemia.

As zonas espanholas mais atingidas pela pandemia da doença covid-19 - Madrid, Barcelona e Castela e Leão – passaram hoje à "fase um" de um processo de alívio das medidas restritivas impostas no âmbito do combate ao novo coronavírus.

Estas regiões, onde está cerca de 30% da população de Espanha, juntam-se às restantes que, desde há duas semanas, já permitiam, por exemplo, a abertura de esplanadas com uma ocupação até 50% da sua capacidade ou a reunião no exterior ou em casa de até 10 pessoas, desde que sejam respeitadas as regras de distanciamento social.

Desde que o novo coronavírus foi detetado na China, em dezembro do ano passado, a pandemia da doença covid-19 já provocou quase 345 mil mortos e infetou mais de 5,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço da agência de notícias France Presse (AFP).

Mais de 2,1 milhões de doentes foram considerados curados.

/ RL