Uma autoridade norte-americana disse este domingo que a situação no nordeste da Síria está a "deteriorar-se rapidamente" à medida que as forças apoiadas pela Turquia avançam e podem isolar as forças dos Estados Unidos no terreno.

A fonte declarou este domingo que esta situação está a aumentar rapidamente o risco de um confronto entre as forças apoiadas pela Turquia e os Estados Unidos no nordeste da Síria.

A autoridade norte-americana falou à agência de notícias Associated Press (AP) sob condição de anonimato, porque não estava autorizado a informar jornalistas.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que as tropas norte-americanas no norte da Síria recuariam antes de uma ofensiva turca, este domingo no seu quinto dia, para não colocar as forças do seu país em perigo.

Desde sábado, combatentes turcos e apoiantes da Turquia realizam ataques aéreos em direção à cidade de Ain Eissa, administrada pelas forças lideradas pelos curdos e onde está localizada uma grande base dos Estados Unidos.

A autoridade disse que as forças norte-americanas e os seus aliados curdos já não controlam as linhas terrestres de comunicação.

A Turquia declarou que o objetivo da ofensiva na Síria é combater e afastar da região a milícia curdo-síria Unidades de Proteção Popular (YPG, integrante das Forças Democrática da Síria), que os turcos consideram uma organização terrorista por suas ligações com a insurgência curda na Turquia.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse na sexta-feira que a Turquia não vai parar até que o YPG, que forma a espinha dorsal da força terrestre apoiada pelos Estados Unidos contra o Estado Islâmico (EI) no norte da Síria, retire-se para pelo menos a 32 quilómetros da sua fronteira.