Quinhentas pessoas vão-se reunir no próximo domingo em Barcelona para um beijo colectivo gay, durante a visita do papa Bento XVI a Espanha. O objectivo é protestar contra a forma como a igreja vê os relacionamentos.

«Não estamos contra o Papa, o beijo colectivo é uma forma de manifestar o nosso desacordo com a maneira como a igreja vê as relações entre as pessoas», diz Joan Pérez, um dos organizadores do «evento», de acordo com o «El País».

O encontro é uma iniciativa homossexual, denominada Queer Kissing Flashmob (aglomerado de pessoas que se reúnem num local previamente combinado para realizar uma acção e que dispersam rapidamente no fim de a concluírem), e foi convocado através do facebook .

Os organizadores dizem que o evento, que já tem 1500 seguidores, é aberto tanto a homossexuais como heterossexuais, mas admitem que só terá êxito se beijarem alguém do mesmo sexo.

O protesto público chamou a atenção de vários meios de comunicação que farão a cobertura do evento, não só pela proposta mas pelo facto da página do Facebook ter sido eliminada várias vezes da internet. Neste momento está aberta e mais de 1500 pessoas que confirmaram a presença no domingo.

«Tudo aponta que seja uma hipotética censura», disseram os criadores da página a alguns meios de comunicação espanhóis, acrescentando que é «estranho um acto tão nobre como beijar ser considerado hoje em dia em pleno século XXI, revolucionário».
Redação / AMG