Serão os racistas e os conservadores mais burros? A resposta à pergunta provocativa parece ser um qualificado sim. Segundo um estudo recente da Universidade de Brock, Ontário, Canadá, as pessoas que têm menos Q.I (quociente de inteligência) na infância têm mais probabilidades de desenvolver convicções preconceituosas e políticas sociais conservadoras quando forem adultas, revela o The Huffington Post.

O estudo publicado na Psychological Science é da autoria do professor de psicologia Gordon Hodson, que defende que a investigação prova um ciclo vicioso: as pessoas de baixa inteligência gravitam socialmente em torno de ideologias conservadoras, que provocam stress e resistência à mudança, e, como tal, preconceito, disse à Live Science.

A razão que leva as pessoas menos inteligentes a sentirem-se atraídas para ideias conservadoras parece estar no facto dessas ideologias permitirem mais «estrutura e ordem», o que torna mais fácil compreender um mundo complicado. Estas ideologias conservadores permitem tornar o mundo mais simples.

«Infelizmente, muitas destas ideias podem contribuir para o preconceito», disse.
Redação