O Governo do Uganda diz que vai capturar Joseph Kony vivo ou morto. Isto, ao mesmo tempo que critica a ONG norte-americana responsável pela campanha na Internet, com um vídeo já visto por dezenas de milhões, para que o senhor da guerra ugandês seja detido.

Kony e a sua guerrilha, que rapta crianças para usá-las como soldados ou escravas sexuais, já desde 2005 que não estão no Uganda.

O vídeo, que apela à captura do «senhor da guerra» foi visto 70 milhões de vezes em apenas cinco dias. A ONG «Crianças invisíveis» lançou uma campanha na Internet com o objetivo de que Joseph Kony seja detido em 2012.

Angelina Jolie, que é um dos alvos de mobilização da campanha «Kony 2012», já esteve no Uganda e no congo, e sabe muito bem quem é Joseph Kony.

O exército de resistência do senhor terá duzentos a trezentos efetivos. O seu autoproclamado místico líder, Joseph Kony, foi a primeira pessoa a ser acusada pelo Tribunal Penal Internacional. Já lá vão quase sete anos.