O Ministério Público chileno confirmou o carácter criminoso do incêndio, que matou pelo menos 81 prisioneiros e feriu com gravidade outros 14 na quarta-feira numa prisão de Santiago, e ocorreu segundo a polícia após uma rixa entre prisioneiros.

«Foram encontrados elementos que atestam o carácter intencional da origem do fogo», declarou à imprensa o procurador Alejandro Pena, responsável pelo inquérito sobre a catástrofe, considerada como a mais mortífera da história prisional do Chile.

«Todas as imagens das câmaras de segurança foram examinadas, bem como as comunicações internas da polícia prisional e decorrem inquéritos junto dos bombeiros», precisou Pena.
Redação / CLC