A Venezuela não extraditará para Espanha o alegado membro da ETA que terá treinado separatistas bascos em território venezuelano, porque este possui nacionalidade venezuelana, anunciou hoje a procuradora geral da República, Luísa Ortega Díaz.

Arturo Cubillas chegou à Venezuela em 1990, solicitou a naturalização, que lhe foi concedida, e «uma pessoa venezuelana, seja por naturalização ou nascimento, não pode ser extraditada», explicou a procuradora.

O anúncio foi feito através do programa radiofónico «Em sintonia com o Ministério Público», transmitido pela emissora Rádio Nacional de Venezuela, durante o qual Luísa Ortega Díaz precisou que o artigo 69.º da Constituição Nacional proíbe a extradição de cidadãos nacionais.
Redação / CLC