O Parlamento Europeu aprovou o Acordo de Comércio e Cooperação entre União Europeia e Reino Unido, que estabelece o novo quadro de relações entre as duas partes no pós-‘Brexit’, anunciou esta quarta-feira de manhã a assembleia.

Numa votação realizada na terça-feira, mas cujo resultado foi anunciado apenas hoje de manhã, na abertura do terceiro dia da sessão plenária que decorre em Bruxelas – dado o processo de contagem de votos à distância ser mais moroso -, o acordo foi aprovado com 660 votos a favor, cinco contra e 32 abstenções, encerrando-se assim o longo processo de ‘divórcio’ entre UE e Londres.

O Acordo de Comércio e Cooperação pós-‘Brexit’ negociado entre o Reino Unido e a UE foi concluído em 24 de dezembro de 2020 e começou a ser aplicado provisoriamente em 01 de janeiro, com um prazo para a sua ratificação até à próxima sexta-feira, 30 de abril, para permitir a conclusão da revisão jurídico-linguística do texto e respetiva aprovação pelo Parlamento Europeu.

A votação no hemiciclo teve lugar depois de, em 15 de abril, as comissões dos Negócios Estrangeiros e do Comércio do PE terem finalmente votado a favor do acordo comercial e de cooperação pós-Brexit, abrindo caminho para sua ratificação final.

As comissões parlamentares haviam suspendido a votação em março, em protesto contra as alterações britânicas nos acordos comerciais na Irlanda do Norte, que Bruxelas diz violarem os termos do Acordo de Saída do ‘Brexit’, tendo por isso aberto um processo de infração a Londres.

Boris Johnson: "Etapa final de longa viagem"

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, recebeu a aprovação do Acordo de Comércio e Cooperação pós-Brexit com a União Europeia (UE) pelo Parlamento Europeu como a "etapa final de uma longa viagem". 

Esta semana é a etapa final de uma longa viagem, proporcionando estabilidade ao nosso novo relacionamento com a UE como parceiros comerciais vitais, aliados próximos e iguais soberanos. Agora está na hora de olhar para o futuro”, afirmou, em comunicado. 

O secretário de Estado das Relações com a UE, David Frost, considerou ser um "momento importante”, fruto de negociações “incansáveis” no ano passado. 

A votação de hoje traz certeza e permite-nos focar no futuro. Haverá muito para nós e a UE trabalharmos juntos através do novo Conselho de Parceria e estamos empenhados em trabalhar para encontrar soluções que funcionem para ambos”, disse.

Frost prometeu agir com espírito positivo, mas também sempre defender os interesses nacionais enquanto "país soberano”.

/ RL