A Comissão Europeia concluiu, esta terça-feira, as conversações com a farmacêutica Valneva para aquisição da sua potencial vacina contra a covid-19, num total de 60 milhões de doses para disponibilizar à União Europeia (UE), sendo este o oitavo fármaco garantido.

Em comunicado, o executivo comunitário refere que “concluiu conversações exploratórias com a empresa farmacêutica Valneva com vista à aquisição da sua potencial vacina contra a covid-19”, precisando que “o contrato previsto com a Valneva dará a todos os Estados-membros da UE a possibilidade de adquirirem, em conjunto, 30 milhões de doses, com uma opção de 30 milhões de doses suplementares”.

As negociações hoje terminadas permitem que a UE disponha, agora, de uma carteira de oito potenciais vacinas contra a covid-19, nomeadamente a da BioNTech e Pfizer, já aprovada e a ser utilizada na UE desde final de dezembro passado.

Acresce a vacina da Moderna, aprovada no início de janeiro e que chegará aos países europeus ainda esta semana.

Esta terça-feira, a Agência Europeia de Medicamentos recebeu pedido para aprovação da vacina da farmacêutica AstraZeneca com a universidade de Oxford, devendo dar luz verde a este fármaco até final do mês.

A estas três vacinas, acrescem outras já garantidas pela Comissão Europeia, como as da Sanofi-GSK, Janssen Pharmaceutica NV e CureVac, para as quais já foram formalizados contratos de aquisição, e outra da Novavax, para a qual foram concluídas conversações exploratórias.

Esta carteira de vacinas diversificada fará com que a Europa esteja bem preparada para a vacinação, uma vez comprovada a segurança e a eficácia das vacinas, como já acontece com as da BioNTech/Pfizer e da Moderna, recentemente autorizadas na UE”, observa o executivo comunitário na nota de imprensa hoje divulgada.

A Valneva é uma empresa biotecnológica europeia que desenvolveu uma vacina de vírus inativado contra a covid-19, assente numa tecnologia vacinal tradicional, utilizada há mais de 60 anos, com métodos estabelecidos e um elevado nível de segurança.

A Comissão Europeia adianta que decidiu apoiar esta vacina, com o apoio dos Estados-membros, “com base numa avaliação científica sólida, na tecnologia utilizada, na experiência da empresa em matéria de desenvolvimento de vacinas e na sua capacidade de produção para abastecer toda a UE”.

Citada pelo comunicado, a presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, declara que “o passo dado hoje no sentido de alcançar um acordo com a Valneva vem complementar a carteira de vacinas da UE e demonstra o empenho da Comissão em encontrar uma solução duradoura para a pandemia”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,9 milhões de mortos num total de mais de 90 milhões de casos em todo o mundo.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ NM