O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação garantiu esta sexta-feira que Portugal está a trabalhar no plano europeu para que a União Europeia (UE) tome medidas adicionais para acelerar a vacinação designadamente em África.

Francisco André falava à agência Lusa a propósito da doação de Portugal a Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe de 60.000 testes PCR para testagem da covid-19 e respetivos ‘kits’ de extração.

A oferta, que começa hoje a ser entregue nos respetivos países, faz parte da segunda fase do “Plano de Ação na resposta sanitária à pandemia Covid-19” entre Portugal e os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, promovido pelo Governo português.

A iniciativa, através dos ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Saúde, prevê o apoio aos países nas áreas de testagem, formação e capacitação e no envio de equipamentos de proteção individual e na vacinação.

Cada um destes países receberá 20.000 testes doados por Portugal, com Cabo Verde e a Guiné-Bissau a receber este material ainda hoje e São Tomé e Príncipe no sábado.

Segundo Francisco André, este apoio vai continuar e é objetivo do Governo português ir respondendo consoante as necessidades manifestadas pelos respetivos Estados.

Trabalhámos com estes países desde a primeira hora e, não obstante os momentos difíceis que fomos atravessando no combate à pandemia, nunca deixámos de cooperar e ser solidários”, afirmou.

O secretário de Estado recordou ainda que Portugal “já fez o anuncio do compromisso de disponibilizar 5% das vacinas que comprou, e que estão encomendadas, para a cooperação com os PALOP e Timor-Leste”.

Esse é um compromisso muito importante. Houve poucos países no âmbito europeu que o tenham feito e nós já assumimos esse compromisso”, acrescentou.

O governante, consciente que estes 5% “não serão suficientes para vacinar todas as pessoas nesses países”, adiantou que o Governo português tem estado “a trabalhar no plano europeu para que a União Europeia tome medicas adicionais para acelerar o processo de vacinação no resto do mundo”.

E designadamente em África, que tem sido um ponto prioritário para Portugal desde sempre, enquanto Estado-membro da UE e durante este semestre enquanto presidência portuguesa da União Europeia”, acrescentou Francisco André.

África registou nas últimas 24 horas mais 329 mortes por covid-19, para um total de 105.001 desde o início da pandemia, e 12.273 novos casos de infeção, segundo os dados mais recentes oficiais da pandemia no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número total de infetados nos 55 Estados-membros da organização é de 3.937.028 e o de recuperados nas últimas 24 horas é de 10.701, para um total de 3.512.473 desde o início da pandemia.

/ MJC