O comissário europeu do Mercado Interno afirmou esta sexta-feira que o aumento da produção na Europa vai permitir disponibilizar 410 milhões de vacinas aos Estados-membros neste segundo trimestre, assegurando o objetivo de vacinar 70% dos adultos até julho.

No segundo trimestre, teremos 410 milhões de doses de vacinas [contra a covid-19] que serão fornecidas a todos os Estados-membros. Vamos multiplicar o número de vacinas por quatro, o que dá uma boa noção desta aceleração” da produção do fármaco na União Europeia (UE), avançou Thierry Breton.

O comissário falava numa audição conjunta na Comissão de Assuntos Europeus, na Comissão de Saúde e na Comissão Eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia da doença covid-19 e do processo de recuperação económica e social, sobre a estratégia de vacinação na União Europeia (UE).

Segundo o comissário responsável pela `task force´ europeia das vacinas, o objetivo da Comissão Europeia é o de “fornecer doses suficientes para que, a meio de julho, o conjunto dos Estados-membros, incluindo Portugal, possam vacinar totalmente 70% adultos europeus com mais de 18 anos”.

A meta definida prevê ainda que, até final do verão, sejam vacinados “todos os adultos que quiserem”, disse Thierry Breton, ao adiantar que estes 70% de europeus vacinados permite “alcançar números que dizem que a pandemia já está muito diminuída e circunscrita”.

Perante os deputados, o comissário europeu adiantou ainda que esta aceleração da produção de vacinas para combater a pandemia surge depois de “um primeiro trimestre que foi complicado”, uma vez que um dos fornecedores (AstraZeneca) “não cumpriu os seus compromissos”, fornecendo 30 milhões das 120 milhões de doses previstas.

UE está já a pensar na necessidade de mais uma dose no outono

O comissário europeu confirmou ainda que a Comissão está a negociar aquisição de mais vacinas contra a covid-19 para a possibilidade de ser necessária uma dose suplementar no outono, devido às variantes do SARS-CoV-2.

Felizmente quase todas as vacinas que nós temos em carteira parecem ser eficazes em relação às variantes [do coronavírus], mas temos de trabalhar no caso de haver necessidade de uma dose suplementar no outono”, avançou Thierry Breton na Assembleia da República.

O comissário responsável pela `task force´ europeia para vacinas assegurou aos deputados de três comissões parlamentares que a Comissão Europeia já está a “trabalhar nas fases seguintes” do controlo da pandemia da covid-19 e salientou que, neste sentido, as “variantes são um risco real”.

“Estamos a trabalhar com as grandes empresas que são nossas parceiras, nomeadamente a Pfizer/BioNTech, e estamos a negociar doses suplementares que terão as adaptações necessárias que for preciso fazer”, referiu Thierry Breton.

A tecnologia do ARN mensageiro (mARN) “presta-se bem a estas alterações”, referiu ainda o comissário europeu, que reiterou que a Europa tem capacidade de produção de vacinas para esse reforço de doses.

De acordo com Thierry Breton, a capacidade industrial europeia é de cerca de 150 a 200 milhões de doses de vacinas por mês e será aumentada para 250 milhões até final deste ano, o que significa 3.000 milhões por ano na União Europeia, “um pouco mais do que os Estados Unidos”.

/ MJC