A União Europeia (UE) e a China devem concluir um acordo de investimento "em breve", após sete anos de negociações, confirmou hoje em comunicado o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi.

Wang, que se reuniu com os embaixadores dos 27 países da UE, em Pequim, na segunda-feira, tornou-se o primeiro governante chinês a enfatizar a possibilidade de o acordo ser selado em breve.

Esperemos que a China e a Europa cheguem a um consenso sobre o acordo abrangente de investimento", afirmou Wang aos embaixadores, de acordo com o comunicado difundido hoje.

Mais uma vez, ficou provado que o âmbito da cooperação China - UE é muito superior ao da competição, e que [as áreas de] consenso são muito maiores do que as diferenças", lê-se na nota.

China e Europa são parceiros numa cooperação mutuamente benéfica e a relação entre os dois lados está cheia de vitalidade", assegurou.

Durante a cimeira virtual China - UE, que se realizou em setembro passado, o Presidente chinês, Xi Jinping, e os seus parceiros europeus, concordaram em concluir as negociações antes do final do ano.

As discussões estão a ser "intensas" e "foram feitos progressos em várias áreas", revelou na semana passada um porta-voz da Comissão Europeia.

As negociações, que começaram em novembro de 2013, visam proteger mutuamente os investimentos europeus na China e os investimentos chineses na UE.

O acordo tornaria, por exemplo, mais fácil aos investidores da UE comprarem participações em empresas chinesas, visando tornar a relação recíproca.

Empresas chinesas realizaram grandes aquisições na Europa, incluindo em Portugal, mas os europeus reclamam que o acesso ao mercado chinês é ainda muito restrito.

Uma declaração difundida hoje pela delegação da União Europeia na China revelou que o embaixador da UE em Pequim, Nicolas Chapuis, lembrou a Wang Yi que o objetivo é finalizar as negociações até ao final deste ano.

A parte da UE levantou questões sobre direitos humanos, alterações climáticas, a resposta da China à pandemia de covid-19 e as "implicações das restrições para as empresas e cidadãos europeus", segundo o comunicado.

Também foram levantadas preocupações sobre as restrições à liberdade de imprensa e ao livre fluxo de informação na China.

Mas uma exigência importante da UE - que a China se comprometa a acabar com o trabalho forçado - não foi atendida.

A recusa de Pequim em ratificar as normas da Organização Internacional do Trabalho sobre trabalho forçado tornaria politicamente difícil para o Parlamento Europeu - cujo apoio é vital para validar o acordo - votar a seu favor.

/ BC