Theresa May anunciou, esta terça-feira no parlamento britânico, que vão ser votadas três opções depois de 12 de março. Entre as propostas alternativas está um adiamento da saída da União Europeia (UE).

Num discurso na Câmara dos Comuns, a primeira-ministra britânica garantiu que a 12 de março vai ser votado o novo Brexit, na generalidade. Caso este acordo seja reprovado vai ser apreciado, no dia seguinte, a possibilidade de uma saída sem acordo. Por fim, caso esta última proposta seja rejeitada, será votado um pedido de extensão da saída do país da UE, no dia 14 de março.  

Se for necessário vou fazer uma saída sem acordo com sucesso", assegurou Theresa May

A primeira-ministra garantiu ainda que o país só sai sem um acordo "se o parlamento concordar".  

Mesmo com um adiamento em cima da mesa, May mostrou-se contra este pedido. A chefe de governo garante que "se houver um adiamento para lá de junho, o Reino Unido tem que votar nas Europeias"

Serão três dias decisivos para o futuro do Reino Unido na União Europeia, sem um caminho definido para uma eventual rejeição das três propostas.

Desde junho de 2016 que o Reino Unido vive num impasse para acertar os termos da saída com a União Europeia. O primeiro acordo foi aprovado pelos 27, mas os deputados britânicos rejeitaram-no, numa votação histórica. 

O dia de votações na Câmara dos Comuns acontece um dia depois de Jeremy Corbyn, líder dos Trabalhistas, ter anunciado a intenção de propor um segundo referendo sobre o Brexit.