A Universidade de St. Andrews, na Escócia, uma das mais antigas e a mais prestigiada do Reino Unido, está a investigar dezenas de queixas de violação e abuso sexual, depois de uma conta na rede social Instagram ter revelado, até ao momento, mais de 40 denúncias anónimas.

Em "St Andrews Survivors" (sobrevivente de St. Andrews, na tradução literal), as vítimas descrevem os momentos por que passaram e a vergonha que sentiram que as impediu de denunciar os agressores, que muitas vezes eram "populares".

Em causa está, também, uma república masculina, a Alpha Epsilon Pi.

Tanto a universidade como a república já reagiram às denúncias, com a instituição a "garantir aos sobreviventes" que "vai agir" e "apoiar" as vítimas.

Os acontecimentos partilhados pelos Sobreviventes de St. Andrews são inaceitáveis e não subestimamos os seus efeitos. A Universidade quer que os Sobreviventes de St. Andrews saibam que estes testemunhos estão a ser levados a sério e que foi disponibilizado apoio. Por favor, contactem os Serviços Estudantis para ter acesso a um conselheiro. Denúncias documentadas são essenciais se queremos enfrentar este assunto como devemos", afirmou a universidade, numa publicação partilhada em "St Andrews Survivors".

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

we have been asked to share this statement from clare peddie, our proctor.

Uma publicação partilhada por St Andrews Survivors (@standrewssurvivors) a

A polícia escocesa adiantou, apenas, que tem conhecimento das queixas denunciadas nesta conta e que está a trabalhar com a universidade.

A Alpha Epsilon Pi confirmou que suspendeu vários membros na sequência das alegações de violação e abuso sexual e que está a investigar as queixas.

A universidade já se reuniu com o porta-voz e criador da conta de Instagram, apelando às vítimas para que não fiquem em silêncio.

Na sequência deste escândalo, St. Andrews decidiu que todos os seus alunos vão ter de frequentar um módulo, obrigatório antes de se poderem matricular, sobre consentimento e agressão sexual.


 


 

Catarina Machado