A Coreia do Norte pode estar a tentar levar a cabo operações de extração de plutónio para a produção de armas nucleares indicam fotos captadas por satélite, poucas semanas depois de o líder Kim Jong Un ter-se referido à expansão do arsenal bélico.

O portal 38 North, especializado na investigação de assuntos relacionados com a Coreia do Norte, publicou esta quinta-feira um estudo com base na observação de imagens e informações recolhidas por satélites e que alegadamente indicam que a central de carvão do complexo nuclear de Yongbyon está a operar após dois anos de inatividade. 

As imagens mostram fumo a sair da central, várias vezes, desde o passado mês de fevereiro. 

De acordo com o portal, o facto "sugere que os trabalhos podem fazer parte do processo de extração de plutónio necessário para o fabrico de armas nucleares".

No entanto, o mesmo texto salvaguarda que o "funcionamento do sistema pode estar em curso para tratamento de lixo radioativo".

No início da semana, o diretor da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Mariano Grossi, disse que alguns complexos nucleares da Coreia do Norte continuam a operar tendo nomeado os sistemas ligados aos laboratórios (rádio e químicos) de Yongbyon.

Os laboratórios são usados no processo de extração de plutónio e apoiados pela combustão de energia. 

As atividades nucleares da República Democrática Popular da Coreia (nome oficial da Coreia do Norte) são motivo de sérias preocupações. A continuação do programa nuclear é uma clara violação das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas", considerou Grossi num documento publicado no portal oficial da AIEA. 

O plutónio é um dos dois componentes essenciais para a fabricação de armas nucleares, assim como o urânio enriquecido.

O complexo de Yongbyon, a norte da cidade de Pyongyang, está dotado de sistemas de produção dos dois componentes.

Em janeiro, o líder da Coreia do Norte pediu o alargamento do arsenal nuclear, nomeadamente para forçar os Estados Unidos a negociar o fim de sanções contra Pyongyang.

. / JGR