Um especialista chinês defendeu esta terça-feira que os cidadãos chineses podem começar a ser vacinados contra a covid-19, em novembro ou dezembro, uma vez que os testes clínicos decorrem sem contratempos.

Citado pela imprensa oficial, o principal conselheiro de biossegurança do Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças da China (CDC), Wu Guizhen, disse acreditar que as vacinas contra a doença causada pelo novo coronavírus podem ter efeito durante um período de entre um e três anos.

Cinco das nove vacinas que chegaram à terceira fase dos testes clínicos em todo o mundo estão a ser desenvolvidas pela China.

Wu considerou que o país asiático está a "liderar" este processo.

O especialista admitiu ter participado num dos ensaios realizados no país: "Fui injetado com uma vacina em abril, fui voluntário nos exames. Estou-me a sentir bem agora", explicou.

Wu adiantou que especialistas da Comissão Nacional de Saúde estão a rever "intensamente" os projetos de produção das farmacêuticas, e que, por enquanto, duas já receberam autorização para começarem a produzir vacinas.

Por se tratar de um vírus de "alto risco", o especialista ressaltou que é imprescindível que as vacinas sejam produzidas num ambiente de pressão negativa que evite que o patógeno vaze para fora ou para outras salas.

Pequim aprovou o uso emergencial das vacinas para funcionários da saúde e outros setores no final de julho.

Segundo um diretor do Grupo Nacional de Biotecnologia da China (CNBG), pelo menos duas vacinas experimentais já foram administradas a "centenas de milhares de chineses, sem terem registado efeitos colaterais".

/ RL