A Alta Autoridade Francesa para a Saúde (HAS) desaconselhou esta segunda-feira a administração da vacina Moderna para pessoas com menos de 30 anos, com base, nomeadamente, num estudo que constatou que aumenta ligeiramente o risco de miocardite e pericardite para esta população.

Conduzido pela estrutura Epi-Phare, que associa a Assurance maladie (Cnam) e a Agence du médicament (ANSM), um grande estudo publicado hoje centrou-se em pessoas com idades entre os 12 e os 50 anos hospitalizadas em França por miocardite ou pericardite entre 15 de maio e 31 de agosto, ou seja, 919 casos de miocardite e 917 casos de pericardite.

A miocardite e a pericardite são inflamações do coração. O primeiro afecta o miocárdio, o músculo principal do coração, e o segundo o pericárdio, a membrana que envolve o coração.

Como demonstrado pelos relatórios de farmacovigilância, os resultados do estudo francês confirmam que as vacinas Pfizer e sobretudo a Moderna aumentam o risco de estas doenças ocorrerem nos 7 dias seguintes à vacinação, e mais frequentemente em homens com menos de 30 anos de idade.

Tendo em conta estes resultados, a HAS "recomenda, para a população com menos de 30 anos e logo que esteja disponível, a utilização da vacina Pfizer, quer se trate de uma vacinação primária ou de um reforço".

Em contrapartida, recomenda que a vacina Moderna, "que parece ser ligeiramente mais eficaz, pode ser utilizada para a vacinação primária e para a administração de uma meia dose de reforço em indivíduos com mais de 30 anos de idade".

Em 15 de outubro, a autoridade sanitária francesa recomendou a utilização apenas da vacina Pfizer/BioNtech para doses de reforço.

Quando ponderamos a eficácia das vacinas contra as formas graves de covid-19 (avaliadas em cerca de 90%) e os riscos existentes, mas pouco frequentes de miocardite e pericardite, que têm uma evolução favorável, a relação benefício/risco das vacinas não é posta em causa", garantiu hoje à AFP Mahmoud Zureik, diretor da estrutura Epi-Phare.

O HAS reitera a necessidade de vacinar o mais amplamente possível.

"A epidemia está atualmente a marcar uma recuperação, cuja evolução é difícil de prever, mas o período de inverno que se inicia, combinado com a queda previsível da eficácia das vacinas nas pessoas vacinadas antes do verão, recorda-nos mais uma vez a importância de obter a melhor cobertura vacinal possível de toda a população, e em particular das pessoas mais suscetíveis de desenvolver uma forma grave de covid-19", insiste a autoridade sanitária francesa.

A HAS também considera necessário "manter um elevado nível de proteção, administrando uma dose de reforço às populações mais frágeis e mais expostas ao vírus".