Reações de curto prazo a vacinas anti-covid, como desmaios e tonturas, registadas em dezenas de pessoas em cinco estados norte-americanos, foram causadas por ansiedade, e não por problemas com a vacina, concluíram as autoridades de saúde dos Estados Unidos.

Especialistas dizem que as situações detalhadas hoje por Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) são exemplo de um fenómeno registado há décadas com várias vacinas. Basicamente, algumas pessoas ficam tão assustadas com as injeções que a sua ansiedade provoca uma reação física.

“Sabíamos que iríamos ver isto” à medida que a vacinação em massa contra a covid-19 fosse decorrendo em todo o mundo, disse a investigadora canadiana Noni MacDonald, médica que estudou incidentes semelhantes.

Os CDC indicaram que os relatórios chegaram entre os dias 7 a 9 de abril, de centros de vacinação na Califórnia, Colorado, Geórgia, Iowa e Carolina do Norte. A investigação foi baseada em entrevistas e informações do pessoal de saúde.

Muitas das 64 pessoas afetadas ou desmaiaram ou disseram sentir tonturas. Algumas indicaram náuseas ou vomitaram e um número reduzido sentiu o coração acelerado, dores no peito ou outros sintomas. Nenhuma ficou gravemente doente.

Todos receberam vacinas Johnson & Johnson e quatro dos cinco centros de vacinação fecharam temporariamente, enquanto as autoridades tentavam descobrir o que estava a acontecer. As autoridades de saúde disseram na altura não ter razões para suspeitar de qualquer problema com a vacina.

Das três vacinas contra a covid-19 autorizadas nos Estados Unidos, apenas a Johnson & Johnson é de dose única. Isso provavelmente torna-a mais apelativa para as pessoas que ficam nervosas com injeções, que serão também as “mais predispostas a eventos relacionados com ansiedade”, indica o relatório dos CDC.

Os CDC descobriram que cerca de um quarto das pessoas que indicaram efeitos colaterais também tiveram reações em vacinações anteriores.

Estas reações pós-vacinação são completamente diferentes do tipo muito raro de efeito secundário que levou a uma suspensão da administração desta vacina. Pelo menos 17 pessoas desenvolveram um raro tipo de coágulo sanguíneo e registavam níveis anormalmente baixos de plaquetas que formam coágulos.

Outro relatório com dados dos CDC revelado na quinta-feira analisou os efeitos colaterais relatados por mais de 300.000 vacinados com esta vacina. Mais de metade sentiu dor no braço, fadiga ou dor de cabeça e um terço relatou febre ou calafrios. Cerca de um quinto referiu náuseas.

/ MJC