Uma única injeção das vacinas Pfizer e Moderna contra a covid-19 pode ser suficiente para proteger as pessoas que já estiveram infetadas com o novo coronavírus, conclui um estudo divulgado na quarta-feira.

O estudo, publicado na revista científica New England Journal of Medicine, tem por base amostras sanguíneas de 110 pessoas (43 estiveram infetadas com o novo coronavírus, as restantes não).

Os resultados revelam que, após a primeira dose de ambas as vacinas, as pessoas que tiveram covid-19 "desenvolveram rapidamente" níveis de anticorpos "uniformes e elevados nos dias seguintes" à injeção.

Segundo o trabalho, conduzido por investigadores da Escola de Medicina Icahn, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, a concentração de anticorpos era 10 a 45 vezes superior nestas pessoas do que nas pessoas que não estiveram infetadas.

Após a segunda dose, os níveis de anticorpos nas pessoas que tiveram covid-19 eram, em média, seis vezes mais altos.

As duas vacinas, que assentam na mesma tecnologia, foram testadas para serem administradas em duas doses.

Os resultados sugerem que uma só dose da vacina provoca uma resposta imunitária muito rápida nas pessoas que estiveram infetadas", afirmou uma das autoras do estudo, Florian Krammer, acrescentando que a primeira dose se assemelha a um reforço (segunda dose) para pessoas que estiveram infetadas.

Em 12 de fevereiro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) manteve a orientação da toma de duas doses das vacinas para a covid-19, apesar de a autoridade sanitária francesa ter recomendado a administração de apenas uma às pessoas que já estiveram infetadas.

A cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, assinalou que são necessários "mais estudos" para se perceber se a primeira dose pode atuar como "um reforço" da imunidade à covid-19 para as pessoas que estiveram infetadas, que desenvolveram naturalmente anticorpos contra o novo coronavírus, o SARS-CoV-2.

/ MJC