A Organização Mundial da Saúde (OMS) condenou esta quarta-feira que os países mais ricos avancem com o reforço da vacinação contra a covid-19 quando os países mais pobres ainda nem sequer imunizaram a sua população.

"Estamos a dar coletes salva-vidas a pessoas que já têm coletes salva-vidas, enquanto [outras] pessoas estão a morrer afogadas, esta é a realidade", criticou, numa referência ao fosso entre os países mais ricos e os países mais pobres, o diretor-executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, Michael Ryan, na videoconferência de imprensa regular da organização sobre a evolução da pandemia da covid-19.

Estamos a deixar milhões de pessoas sem nenhuma proteção", enfatizou.

A OMS reiterou que os dados científicos à data não suportam a necessidade de administração generalizada de doses adicionais de vacinas.

"Vamos tomar as decisões com base nos dados científicos", apelou a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, assinalando que são precisos mais dados científicos para se saber quando e a que grupos populacionais será necessário reforçar a vacinação.

De acordo com a OMS, os "poucos dados" de que dispõe "sugerem a redução da eficácia da proteção" das vacinas "em relação à doença ligeira", mas "não em relação à prevenção da doença grave".

Não sabemos se as doses de reforço farão uma grande diferença na doença grave e morte. Sabemos que vacinar o maior número possível de pessoas salvará vidas", disse Bruce Aylward, responsável na OMS pelo Covax, mecanismo de distribuição universal e equitativa de vacinas contra a covid-19, ao qual, voltou a lamentar, continuam a não chegar doses suficientes para dar aos países mais pobres.

Numa tentativa de conter a disseminação da variante Delta do novo coronavírus, mais contagiosa, vários países, como Estados Unidos, Alemanha, França e Bélgica, anunciaram que vão avançar com a administração de uma terceira dose às pessoas mais vulneráveis, como idosos e imunodeprimidos.

Os Estados Unidos tencionam, inclusive, alargar a terceira dose a toda a população, aplicando-a oito meses após a conclusão da vacinação com duas doses.

Israel foi o primeiro país do mundo a dar uma terceira dose, administrando-a pessoas a partir dos 50 anos.

Apoiando-se nos dados científicos e técnicos à data, o regulador português do medicamento afastou, em 23 de julho, a necessidade da administração de doses adicionais, embora o país tenha acautelado essa eventualidade com a compra de mais vacinas.

Hoje, a OMS esclareceu que o aumento de infeções com o coronavírus que causa a covid-19 está a ocorrer, sobretudo, em países com "baixa cobertura vacinal" e com "uso inconstante de medidas de saúde pública", propiciando a disseminação da variante Delta.

/ MJC