A ONU vai ajudar a Venezuela, de emergência, com 9,2 milhões de dólares. Este dinheiro vai ser canalizado para apoio nutricional e de saúde à população. Se, em setembro, o presidente Nicolas Maduro foi à Assembleia Geral das Nações Unidas dizer que a crise não passava de uma "invenção" só para os Estados Unidos porem "as mãos" no país, agora vê-se como não teve outro remédio que não assumir a grave situação por que passam os venezuelanos.

Em euros, a tranche será de cerca de 8,1 milhões, neste que é o primeiro financiamento de emergência da ONU para o governo de Maduro. 

"Celebro que finalmente tenham decidido aceitar ajuda", disse o deputado José Manuel Olivares, médico exilado e ativista em questões de saúde, numa entrevista por telefone à Reuters, não sem deixar críticas em tom de aviso:

Este é um governo de instituições profundamente corruptas e (os fundos) podem acabar na conta bancária de um funcionário público num paraíso fiscal”.

A fome e as doenças ​​estão a aumentar a olhos vistos à medida que a crise económica se agrava no país.

Veja também:

O Fundo Central de Resposta a Emergências da ONU (CERF) apoiará projetos para fornecer apoio nutricional a crianças menores de cinco anos, mulheres grávidas e lactantes em risco. Será também providenciada assistência médica emergencial para os grupos mais vulneráveis.

“As alocações do CERF são feitas para garantir uma resposta rápida a emergências súbitas ou condições rapidamente deterioradas numa situação de emergência já existente”, lê-se no site do fundo.