A vacinação completa contra a covid-19 será "libertadora” e permitirá às pessoas viajarem, disse hoje o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, referindo-se à possibilidade de eliminar a quarentena para aquelas que cheguem do estrangeiro.

"Estou muito confiante de que as duas doses de vacina serão libertadoras e permitirão às pessoas viajarem”, afirmou hoje, prometendo dar mais detalhes nos próximos dias sobre a próxima etapa do desconfinamento, a 19 de julho. 

Johnson disse que "não há nenhuma dúvida de que, uma vez que uma pessoa tenha as duas doses, estará numa posição muito melhor”, mas também alertou este ano "não será como nenhum outro por causa da covid-19".

"As pessoas não devem esperar que [viajar] seja completamente livre de problemas”, avisou, durante uma visita à fábrica de automóveis da Nissan em Sunderland, no nordeste da Inglaterra.

O jornal "The Times" noticiou hoje que o Reino Unido planeia introduzir viagens sem quarentena para os britânicos que forem vacinados com as duas doses a partir de 26 de julho, como é exigido atualmente para aqueles que regressam ao Reino Unido de países na “lista amarela”, como Portugal, Espanha ou França.

Apenas territórios na “lista verde”, como a Madeira, ilhas Baleares espanholas e Malta, estão isentos de quarentena, enquanto os destinos na “lista vermelha”, como a Índia ou países africanos ou da América do Sul implicam que os viajantes cumpram quarentena num hotel designado pelo Governo e às suas custas.

Ainda de acordo com o "The Times", a nova medida só se aplicará a residentes do Reino Unido com vacinação dada pelo Serviço Nacional de Saúde (NHS), mas um acordo pode ser alcançado em breve para estendê-la a todos os cidadãos da União Europeia (UE).

/ HCL