Foram localizadas as caixas-negras do avião da Air France que se despenhou no Atlântico em 31 de Maio de 2009, quando fazia a ligação Rio de Janeiro-Paris.

Segundo a edição electrónico do jornal «Folha de São Paulo», esta informação foi avançada pelo presidente da Associação das Famílias das Vítimas do Voo 447 da Air France, Nelson Faria Marinho.

«Garantiram que as caixas-negras estão na cauda do avião, durante a reunião com os parentes das vítimas e com o BEA (Escritório de Análise de Investigação - órgão ligado ao Ministério de Transporte francês), ontem, em Paris. Isso foi dito claramente, mas não se sabe se vai conseguir ler essas fitas. E agora resta tirar do fundo do mar», afirmou Nelson Marinho, que perdeu um filho no acidente.

A descoberta foi realizada pela empresa norte-americana Woods Hole Oceanographic Institution, contratada pela companhia aérea francesa para localizar os destroços do avião.

Depois de retirados do fundo do mar, será decidido o local onde serão analisados estes aparelhos que poderão conter as respostas para o que terá acontecido com o voo 447.

Os familiares das vítimas defendem que as caixas-negras devem ser inspeccionadas nos EUA, por se tratar de um território neutro. Já a Air France e o governo gaulês, pretendem que essas perícias sejam levadas a cabo em França.

«Nós queríamos que essas caixas-negras fossem para um país neutro, no caso os Estados Unidos, que tem 19 fabricantes de peças que compõe esse avião. Assim não ficaria essa suspeita nossa de ser levado para França, porque a Airbus é fabricação francesa, como também a Air France é uma estatal e o dono é o governo francês. Mas, para isso, na reunião eles informaram que o Brasil tinha que se pronunciar. Antes de vir para França, na sexta-feira, eu estive com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, para falar sobre isso», disse o representante das famílias das vítimas.
Redação / HB